Feira Virtual Bem da Terra foi assunto do programa Terra Sul

A Feira Virtual Bem da Terra foi pauta da equipe de jornalismo do programa de televisão Terra Sul, produzido em parceria pela Embrapa e Emater.  A iniciativa de comercialização de produtos agroecológicos oriundos de empreendimentos econômicos solidários foi acompanhada pela reportagem e exibida pelos canais TV Nativa e TV Brasil. O programa que retrata a rotina dos produtores e consumidores pode ser assistido no vídeo abaixo.

Já começou o comércio justo e solidário da Feira Virtual

Os integrantes dos  núcleos de consumo inscritos na plataforma  Cirandas.net podem solicitar seus produtos solidários e sustentáveis entre segunda-feira e  quinta-feira, às 14 horas. A iniciativa tem a finalidade de desenvolver o comércio justo e solidário, além de promover o consumo consciente no pacto entre cidadãos que produzem e vendem com os que compram e consomem.

Cerca de 320 itens estão disponíveis para os consumidores responsáveis durante esses primeiros  ciclos que  começarão sempre às segundas-feira, às 12 horas,  indo até as quintas-feiras, às 14 horas. A etapa seguinte às compras é a retirada dos produtos na sede física da Feira Virtual que está localiza na esquina das ruas 15 de Novembro com Almirante Tamandaré.  Para os membros de núcleos encarregados da separação dos produtos, o mutirão começa nos sábados às 9 horas e termina antes do meio-dia.

A variedade de produtos dos empreendimentos econômicos solidários são um dos destaques da Feira Virtual. Os itens, preferencialmente orgânicos, como hortigranjeiros, pães, massas, grãos laticínios, sucos, roupas, artesanatos, plantas ornamentais, produtos de higiene, alimentos processados (café, açúcar, erva-mate), entre outros estão acessíveis durante o ciclo.

Entre em contato com os grupos de consumidores organizados na construção de uma forma de comércio mais solidária e faça parte dessa iniciativa. Realize compras conscientes, justas e sustentáveis e conheça a origem dos produtos.  Para saber mais, clique em ‘Feira Virtual‘.

REDE BEM DA TERRA PARTICIPA DO LANÇAMENTO DO FÓRUM EM DEFESA DA SOBERANIA ALIMENTAR – 18 DE JULHO DE 2018.

No dia 18 de Julho, ocorreu o lançamento do Fórum em defesa da Soberania e Segurança Alimentar na sala 306-b da UCPel. O Fórum é composto por grupos, entidades e movimentos sociais que desde 2006 vem demandando a necessidade da efetivação da Política Pública de Segurança Alimentar no Município de Pelotas e região. O Fórum surge em razão das diversas pautas que objetivam defender o direito humano ao alimento saudável, enquanto direito social e humano.

PARTICIPAÇÃO DA REDE BEM DA TERRA NA 25ª FEIRA INTERNACIONAL DE COOPERATIVISMO – FEICOOP /2018 – 3ª FEIRA MUNDIAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

Durantes os dias 12, 13, 14 e 15 julho ocorreu, na cidade de Santa Maria/RS, a 25ª FEICOOP, 3º Fórum Mundial Temático de ECOSOL e 3ª Feira Mundial de ECOSOL. A Rede Bem da Terra esteve fortemente representada nas atividades da Feira com aproximadamente 60 associados, entre produtores/as e consumidores/as.

Duas atividades tiveram destaque especial na programação:

A primeira delas foi a oficina “Economia Solidária: dos insumos e serviços até o produto final fortalecendo a autogestão”,que resultou de uma articulação realizada entre os Grupos de Consumo Responsável Bem da Terra (Pelotas), Aracá (Novo Hamburgo), Contraponto (Porto Alegre) e Red Comércio Justo del Litoral Argentina (Rosário/Ar). A oficina foi um sucesso e se desenvolveu nos dias 13 e 14/07 (sexta e sábado).

A segunda atividade de destaque na Feira foi a a reunião e Assembleia da Rede Universitária de Incubadoras de Cooperativas Populares (Rede ITCPs), que congrega mais de 60 Incubadoras em todo o Brasil. Os Núcleos NESOL/IFSUL, TECSOL/UFPel e NESIC/UCPel estiveram presentes.

25ª FEICOOP /2018 – ÔNIBUS DA FEIRA VIRTUAL e prévia das atividades que ocorrerão em Santa Maria

Pré-Programação-da-25ª-Feicoop

De 12 à 15 julho de 2018 acontecerá, na cidade de Santa Maria/RS, a 25ª FEICOOP, 3º Fórum Mundial Temático de ECOSOL e 3ª Feira Mundial de ECOSOL. O evento se constituiu como um dos principais espaços de comercialização e trocas Solidárias e reune empreendimentos e produtores/as de todos os estados do Brasil, além de representações de vários países, em especial do Cone Sul. A programação da feira contempla a exposição e comercialização de produtos dos mais distintos segmentos produtivos, assim como a realização de uma série de atividades formativas, rodas de conversa, intercâmbios, trocas de experiências, produtos e muito mais.

No dia 14 de Julho (sábado) sairá um ônibus com vagas para as/os consumidoras/es da Feira e as/os interessadas/os devem enviar os dados completos (nome, RG e contato telefônico) até o dia 10/07 para a/o articuladora/or do seu Núcleo. O horário de saída será às 5h, em frente ao IFSUL (Praça vinte) e o retorno às 21h.

Duas atividades tem especial destaque na programação, pois resultam de uma articulação realizada entre os Grupos de Consumo Responsável Bem da Terra (Pelotas), Aracá (Novo Hamburgo), Contraponto (Porto Alegre) e Red Comércio Justo del Litoral Argentina (Rosário/Ar), que é a realização de oficinas conjuntas para fortalecimento e ampliação da relação existente entre as Redes e GCRs.

Os encontros ocorrerão no dia 14/07 (sábado) com horários previstos para 10h e 14h. A oficina da manhã abordará a temática “Economia Solidária: dos insumos e serviços até o produto final fortalecendo a autogestão” e a atividade da tarde, cuja proposta visa efetivar a troca de produtos entre os coletivos, se intitula “Economia Solidária Brasil-Argentina com trocas diretas de produtos”.

Às 18h30 também ocorrerá a reunião da Rede Universitária de Incubadoras de Cooperativas Populares (Rede ITCPs), que congrega mais de 60 Incubadoras em todo o Brasil, onde os Núcleos NESOL/ IFSUL, TECSOL/UFPel e NESIC/UCPel estarão presentes enquanto coletivos integrantes da Rede.

Muitas atividades e intercâmbios na programação da Feira Virtual..Nos agendemos!

Saiba um pouco mais sobre a FEICOOP: http://www.esperancacooesperanca.org/23a-feicoop

PL 6299/02, conhecido como “PL do Veneno”, será votado dia 19/06 às 10h

A Comissão Especial do PL 6299/02, conhecido como “PL do Veneno”, se reunirá amanhã, 19/06, às 10h para votar o novo texto substitutivo, divulgado pela Câmara hoje https://bit.ly/2K23Ast

É fundamental que continuemos pressionando os deputados para que votem CONTRA os enormes retrocessos que o PL traz a nossa saúde e ao meio ambiente. 
ABA e ABRASCO organizaram um dossiê técnico-científico contra a chamada “PL do veneno” e a favor da PNARA, saiba mais: https://bit.ly/2t5xQZO

Veja as principais alterações trazidas no texto substitutivo e nos ajude a continuar a mobilização contra esse projeto bancado por ruralistas e que quer colocar mais veneno em nossa mesa!

#ChegadeAgrotoxicos

BEM DA TERRA CONVIDA PARA VIVÊNCIA NO ÂMBITO DA V JORNADA UNIVERSITÁRIA EM DEFESA DA REFORMA AGRÁRIA.

Nesta semana um conjunto de coletivos, movimentos sociais e Instituições de Ensino promoverão – em Pelotas, Canguçu e Piratini – mais uma edição de Jornada Universitária em defesa da Reforma Agrária. Serão realizadas rodas de conversa, cine debates, mostras fotográficas e vivências em Assentamento da Reforma Agrária com atividades que visam debater e aprofundar questões acerca: da criminalização dos Movimentos Sociais e da violência no campo e na cidade; a necessidade de ampliarmos o tema da Agroecologia e denunciarmos a inconsequência da produção em escala e baseada na utilização de insumos químicos; a importância e a necessidade de formulação de políticas que assegurem a Soberania e Segurança Alimentar, entre outros.
No dia 16/08, conforme programação, ocorrerá um dia de vivência junto ao Assentamento Conquista da Liberdade, em Piratini, onde esta localizada a Cooperativa de Produção Agropecuária Vista Alegre LTDA – COOPAVA/Piratini, que é também uma cooperativa pertencente a Rede Bem da Terra.
O GT Educação vem participando da construção dessa programação e convida a todos/as para, além de estarem nas atividades de debate, chamarem os seus núcleos para o dia de campo. Será mais uma excelente oportunidade para conhecermos um novo empreendimento da Rede e um pouco mais das experiências de produção de um dos Assentamentos mais antigos e referência para a Reforma Agrária no RS e no Brasil.
Até quinta (14), à noite, as/os interessadas/os poderão fazer contato com o GT Educação (ou o articulador/a) encaminhando mensagem com o nome completo, RG, telefone e email para incluirmos na lista do transporte. Haverá almoço no assentamento pelo valor de R$ 15,00. A saída será as 8h30, no Mercado Central (pela XV de Novembro) e a previsão de retorno e às 16h30.
É só organizar e participar!

 

Socializamos uma reportagem (Programa Terra Sul/2014) realizada junto ao Assentamento que faremos a vivência no próximo sábado.
Ela conta um pouco sobre como o assentamento se constituiu e os desafios para a transição agroecológia.

Veja no vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=3hQYCt8A-LQ&feature=youtu.be

V JORNADA UNIVERSITÁRIA EM DEFESA DA REFORMA AGRÁRIA

Nos dias 11,12,13,16 e 20/06 um conjunto de coletivos, movimentos sociais e Instituições de Ensino promoverão – em Pelotas, Canguçu e Piratini – mais uma edição de Jornada Universitária em defesa da Reforma Agrária. Serão realizadas rodas de conversa, cine debates, mostras fotográficas e vivências em Assentamento da Reforma Agrária com atividades que visam debater e aprofundar questões acerca: da criminalização dos Movimentos Sociais e da violência no campo e na cidade; a necessidade de ampliarmos o tema da Agroecologia e denunciarmos a inconsequência da produção em escala e baseada na utilização de insumos químicos; a importância e a necessidade de formulação de políticas que assegurem a Soberania e Segurança Alimentar, entre outros.
No dia 16/08, conforme programação anexa, ocorrerá um dia de vivência junto ao Assentamento Conquista da Liberdade, em Piratini, onde esta localizada a Cooperativa de Produção Agropecuária Vista Alegre LTDA – COOPAVA/Piratini, que é também uma cooperativa pertencente a Rede Bem da Terra.
O GT Educação vem participando da construção dessa programação e convida a todos/as para, além de estarem nas atividades de debate, chamarem os seus núcleos para o dia de campo. Será mais uma excelente oportunidade para conhecermos um novo empreendimento da Rede e um pouco mais das experiências de produção de um dos Assentamentos mais antigos e referência para a Reforma Agrária no RS e no Brasil.
Até quinta (14) da próxima semana, à noite, as/os interessadas/os poderão fazer contato com o GT Educação encaminhando nome completo, RG, telefone e email para incluirmos na lista do transporte. Haverá almoço no assentamento e nos próximos dias divulgaremos o valor, local e horário da saída.
É só organizar e participar!

Rede Bem da Terra participa de oficina da Universidade Popular dos Movimentos Sociais – UPMS

Rede Bem da Terra, representada pela Associação de Produtores Bem da Terra e pela Associação Educacional para o Consumo Responsável Bem da Terra, participou da oficina da UPMS  “A educação sob ataque: movimentos na resistência” que teve como objetivo realizar uma ampla discussão crítica sobre a democratização da universidade tendo em conta um contexto de crescente ofensiva neoliberal e desmonte da educação no Brasil.

O encontro ocorreu nos dias 02 e 03 de junho de 2018 e encaminhou uma carta abarta anunciando os principais encaminhamentos. A seguir segue a carta aberta, bem como algumas imagens da atividade.

Carta Aberta da Universidade Popular dos Movimentos Sociais  – Pelotas

No último final de semana, nos dias 2 e 3 de junho, ocorreu a primeira Oficina da Universidade Popular dos Movimentos Sociais (UPMS) em Pelotas no âmbito da agenda de atividades do professor Boaventura de Sousa Santos. A UPMS nasceu no Fórum Social Mundial de 2003 como um espaço de conhecimento, encontro e diálogo, reunindo tanto movimentos sociais quanto intelectuais e artistas engajadas/os na luta contra todas as formas de dominação e opressão num contexto de hegemonia capitalista e de globalização neoliberal. A partir daquele momento, a UPMS tem promovido uma série de encontros e oficinas, em diferentes partes do mundo.

Em Pelotas, reuniram-se integrantes de mais de duas dezenas de entidades, movimentos sociais e coletivos organizados, abaixo relacionados:

Associação de Produtores Bem da Terra

Associação Educacional para o Consumo Responsável Bem da Terra

Cáritas Arquidiocesana

Casa do Estudantes Universitário da UFPel

Comitê em Defesa da Água Pública

Comunidade do Quilombo Vó Elvira

Comunidade Kaingang da Aldeia Gyró

Comunidades Tradicionais de Matriz Africana

Conselho de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra de Pelotas

Conselho Municipal de Cultura

Conselho Municipal dos Direitos da Mulher

CPERS Sindicato

DCE Universidade Católica de Pelotas

Federação das Comunidades Quilombolas do Rio Grande do Sul

Frente Brasil Popular

Grupo Autônomo de Mulheres de Pelotas

Grupo MENE

Instituto Mário Alves

Levante Popular da Juventude

Museu da Maré- Rio de Janeiro

Observatório de Conflitos da Cidade

OCA – Arteiros Coletivos

Ocupação Canto de Conexão

Odara – Centro de Ação Social, Cultural e Educacional

Pastoral Afro

Setorial dos Estudantes Negros e Negras da UFPel

Sinsapel

Também – Grupo pela Livre Expressão Sexual

O tema central da Oficina foi a “Educação sob ataque / Movimentos em resistência”. Assim todos os nossos esforços, sentidos e afetos estiveram voltados a debater este tema, analisar a conjuntura atual e problematizar o papel da educação neste cenário. A educação aqui é compreendida de forma abrangente: engloba tanto os espaços formais de educação, como a universidade e a escola, quanto os espaços informais e as práticas educativas desenvolvidas no âmbito dos próprios movimentos. Nos debruçamos sobre temas como o ingresso, a permanência, as ações afirmativas, o currículo, a produção do conhecimento, o financiamento da educação, a precarização do trabalho docente e os baixíssimos e indignos salários dos e das profissionais da educação básica. Tratamos das ausências, da exclusão, da manutenção de práticas de opressão. Estes são alguns dos temas que estiveram no centro de nossos debates e que – assim nós acreditamos – podem apontar novos caminhos e perspectivas para nossas construções individuais e coletivas no campo da educação.

Ao final de nossas discussões, elaboramos esta Carta Aberta, que visa apresentar algumas das perspectivas e aspirações de todas e todos que estiveram presentes. Reunidos, todos/as os movimentos, coletivos e entidades REIVINDICAM:

–  que a Universidade Federal de Pelotas e a Universidade Católica de Pelotas se comprometam a firmar um acordo de cooperação, de forma a garantir as condições estruturais e financeiras necessárias para a continuidade das atividades da UPMS em nossa cidade e região. Desta forma, será possível ampliar os canais de interlocução entre os movimentos sociais e as universidades e construir espaços efetivos de escuta e de diálogos entre os saberes acadêmicos e sociais.

– o engajamento das instituições, entidades e movimentos sociais nas mobilizações contra o desmonte da escola pública, seu compromisso com a defesa da educação e com a valorização, a autonomia e a liberdade de ensino dos/as professores/as da educação básica;

– que sejam priorizadas as políticas de assistência estudantil, as ações afirmativas e as ações de acesso e permanência na universidade para estudantes de escola pública, negros/as, indígenas, quilombolas e alunos/as oriundos da reforma agrária, bem como a manutenção do Programa Bolsa Permanência;

– a qualificação dos currículos das escolas e universidades, com a garantia de que tais currículos contemplem temáticas relativas aos direitos humanos, gênero, diversidade sexual, questões étnico-raciais, diversidade religiosa, consumo responsável, produção agroecológica e solidária.

E diante da atual conjuntura, MANIFESTAM:

– o desejo de que os coletivos, movimentos sociais e entidades comprometidas com a transformação social procurem criar novos espaços de articulação, capazes de criar redes de ação e solidariedade potentes e efetivas;

– sua indignação frente ao processo de criminalização dos movimentos sociais e o assassinato de lideranças indígenas, quilombolas, camponesas e populares. De forma especial, registram sua denúncia diante da execução da vereadora negra Marielle Franco, que segue impune;

– sua indignação frente ao processo judicial político e tendencioso do qual foi vítima o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva;

– sua defesa incondicional da democracia e a necessidade de que esta se amplie cada vez mais nesse país.

Por fim, manifestamos nosso desejo de que iniciativas como as Oficinas da UPMS se multipliquem, que possamos ampliar nossas redes e que venham novos tempos para todos e todas nós que acreditamos nas possibilidades transformadoras da educação.

UNIVERSIDADE POPULAR DOS MOVIMENTOS SOCIAIS / PELOTAS

3 de junho de 2018.

ATENÇÃO: Informações sobre o próximo ciclo (02/06/2018)

Companheirxs,

Informamos que a data do próximo ciclo será mantida. No entanto, a retirada dos produtos no sábado, 02/06/2018,  ocorrerá em regime de mutirão com autoseparação, entre 10h-12h30min.

O Centro de Distribuição Bem da Terra não abrirá no período da tarde.

Favor circular a informação aos núcleos de consumo.

Att,

Coordenação da Associação Educacional / Feira Virtual Bem da Terra

Bem da Terra realiza roda de conversa sobre “Experiências Históricas em Produção e Consumo Solidário”

A Associação Educacional / Feira Virtual Bem da Terra, em parceria com os núcleos universitários NESIC e TECSOL,  realiza roda de conversa sobre “Experiências Históricas em Produção e Consumo Solidário”. A roda de conversa foi orientada pelo educador popular e referência teórica no campo de estudos sobre Autogestão e Economia Solidária, Cláudio Nascimento.

Tratou-se de mais um espaço de formação do Bem da Terra onde se refletiu a experiência do Bem da terra e a conjuntura atual a partir de iniciativas e experiências de produção e consumo que são parte da história de organização de empreendimentos autogestionários em todo o mundo.

A atividade aconteceu na manhã do dia 26/05, sábado, no Centro de Distribuição da Feira Virtual e, apesar do frio e das dificuldades de deslocamento por conta paralização dos caminhoneiros, os consumidores do Bem da Terra se fizeram presentes para contribuir com a reflexão e debate.